Páginas

março 10, 2010

A etiqueta do elogio

Sempre dizia que não queria ser mãe de meninA.
Caaaalma!
Motivo: sou moleca, sempre fui. Adoro sentar no chão, brincar de bola, falar palavrão.
Agora realiza a cena: eu, desse jeito, ensinando uma menina como se portar. Aí, eu viro as costas e me sento na sarjeta... Não dá! Qual seria a referência dessa guria?

Pois é, pensando nisso, fiz uma lista de podes e não podes que aprendi com minha mãe.
"Não aponte", "Coma de boca fechada", "Cumprimente", "Agradeça"... E por aí vai!
Mas tudo isso cabe aos meninos também!!!!
...
Já me peguei vááááárias vezes repetindo, repetindo, repetindo essas frases. E como não me canso de repetir (coitados)!

Mas essa introdução é pra lembrar que criança é "feita" de estímulos, de elogios.
Ãh???
Isso mesmo.
Qual é o ser humano que sobrevive ileso somente à críticas?
Não existe. E com as crianças pior ainda, porque eles serão os adultos que criticarão lá na frente.

Portanto, lembrem-se de educá-los, sim. Auto estima da molecada... É tudo.
Apenas não se esqueçam de pesar crítica e elogio.
Esse segundo deve ser beeeem mais pesado. Ele deve aperecer numa porporção de 5 pra 1, no mínimo.

Antes de falar que seu pequeno é estabanado, diga o quanto você se orgulha quando ele come sem derrubar na roupa!
Não diga que aquela roupa é feia, apenas mostre as opções de combinação que ficarão bem melhor no seu tom de pele.
Se ele escolher ser hippie em pleno século XXI, na cidade de São Paulo, apresente as dificuldades que com certeza, ele enfrentará. Ou aceite, quem vai ser hippie é ele e não você!

Não critique!!!
Principalmente em público, isso NUNCA!

Se já é feio você chamar a atenção de uma pessoa qualquer na frente de todos, imagina do seu filho!
Puxe-o de canto, espere chegar em casa, encaminhe-o até um banheiro, mande um e-mail ou mensagem direta, mas NUNCA, chame a atenção na frente de qualquer pessoa. Seja ela quem for.
Ainda não se convenceu?
Imagine que você está no seu ambiente de trabalho, com mais 3 colegas, chega seu chefe e diz que você esqueceu de mandar aquele relatório, PRA VARIAR! - Como você se sentiria?

Falo por experiência própria nos dois casos, como filha e como mãe.
Mamãe sempre chamava minha atenção na frente dos meus primos e irmãos. 
Era uma tal de: "bem feito! Bem feito!"... Até que era engraçado, mas perigoso. Poderia ter nascido um trauma por aí...

E como mãe, já chamei sim, mas aprendi. Hoje, me policio e se não mudar 100%, vou procurar o AA das mães que chamam a atenção dos filhos em público.
Não existe?
Então, está criada a associação das mães neuróticas que gritam com filhos.

É isso, mulherada. Párcimonia na hora da crítica.
Beijos e até.

Por Janaína

Fotos: Mãe e Filho; Bronca; Abraço

13 comentários:

Anônimo disse...

Jana,
engraçado vc dizer que nunca se imaginou mãe de menina. Comigo foi o contrário: eu nunca me imaginei mãe de menino. Aliás, sempre soube que teria uma menina. E não deu outra, veio minha Letícia.
Concordo plenamente com a questão de elogiar mais. Minha pequetita ainda é um bebê, mas já me preocupo em elogiá-la.
E falando em elogios, é por isto que curto o blog de vocês. Pq vou aprendendo e assimilando os toques de quem esta um pouco á minha frente.
Beijos
Ana Paula

Roberta M. disse...

Jana, eu tb nunca me imaginei Mãe de menina e desde que meu filho era um botãozinho, já conversava com ele no masculino(sorte é um menino rsss), mas não imaginava que o menino fosse ser tão igual a mim, estabanado, canhoto, hiperativo, super sensível, é como me olhar no espelho na versão masculina, fora que é a minha cara!! Mas como tive uma educação muito rígida, apanhei muito e olha que era uma santa, uma muda praticamente, mas a caçula de 3, acabava levando por conta das mais velhas, com isso tomo muito cuidado com as broncas, com a maneira de punir, não sou mole, mas tem certas coisas que odiei na infância e seria incapaz de repetir com meu pequeno!! Tenho pavor de broncas com gritaria, tapas, beliscões!! O castigo, tirar algo dele que ele gosta, tem sido bem mais efetivo!! óTIMO POST!!! Beijocas

c r i s disse...

Oi Jana, sou uma japa relax, mas ás vezes dou uma de italiana, não sei como, subo nas tamancas...é até engraçado depois, mas a molecada já fica espertíssima...também sou mais a favor do castigo e conversa sempre...Bjinho!!

Cristina João disse...

Oi Jana,
Adorei o post, você arrasou, como sempre! Também AMO ser mãe de meninos.
Não podia deixar de dar um pitaco no texto da minha RECOMADRE né??
A palavra da vez é EQUÍLIBRIO, o que sem dúvidas, é pra lá de difícil! Na minha opinião, um elogio correto, na hora correta e pelo motivo correto tem o mesmo efeito e peso de uma boa bronca, também no contexto correto. Em determinadas situações, acho que não dá pra deixar passar não, a "bronca" tem que ser alí e naquela hora, mas sempre tudo com moderação, sem humilhação, afinal, o objetivo é educar. Sou muito tolerante, sempre acho que uma boa conversa e bons exemplos resolvem quase tudo. "Castigos" físicos realmente são uma lástima, afinal tentamos educá-los e não adestrá-los.
Beijos,
Cris João.

Regina disse...

Ah, se os filhos viessem com manual... mas acho que o que passamos na infãncia, ajuda muito na formação de nossos filhos, pois o que não nos serviu não será repetido. Tenho dois filhos, homens já (21 e 27), e procurei ser rígida na medida certa, eles pedem limites. E não me arrependo, não precisei bater, pois isso realmente não educa. Percebo que as crianças de hoje são muito mais espertas do que fomos, estão sempre antenadas com tudo que acontece e sabem nossos pontos fracos, mas é preciso se preparar para ser mãe. Li e leio muito, sempre aprendo coisas novas e procuro praticá-las. O mais recente que li "Pais brilhantes, professores fascinantes" tem ótimas dicas. Quando assisto aqueles programas de babás internacionais ou nacionais, tenho vontade de BATER nas mães, cada uma que aparece, e o reflexo é o filho absurdamente insuportável. Tadinhos!!!!

Luciana Casado disse...

Oi meninas!! Estou de volta!! Saudades de passar por aqui!!!
Bjus, Lu

Simone disse...

Só não achei que eu mesma escrevi esse post pq eu concordo 92% com tudo que está escrito. rsrsrsrs

Não chega aos 100% porque acho que dependendo da situação, a atenção tem que acontecer na hora! Independente de quem estiver perto.

Agora, corrigir não é de jeito nenhum o mesmo de constranger. Acho que essa é a graaaande diferença.

Bjs pra vcs!!

Gi Crispim disse...

Adorei!! Sabe que chamar a atenção dos filhos é algo como reclamar da vida... A gente faz sem perceber, e é horrível!!

bjsss

café e chocolate disse...

Jana, lindo seu texto amei, eu preciso do AA das mães desesperadamente.Passe lá no meu blog pra tomar um cafezinho. Bjos Socorro.

Larissa L. disse...

Oi Janaína,
Esse post me serviu como luva! Mas EU sou a mãe da menina moleca!!
Também odiava as críticas da minha mãe e procuro evidenciar os pontos positivos da minha pequena mas às vezes não dá, né?
Bj

Janaína disse...

Oi Larissa, se tivesse menina, seria moleca, com certeza.
Mas olha, eu acredito que devemos aprender com tudo o que for positivo, de qualquer educação. Principalmente a da nossa mãe...
Volte e comente sempre!

Um beijo

Leila Silvia Almeida disse...

OLÁ MENINAS...TODAS AS VEZES QUE PASSO POR AQUI,MESMO COM TRÊS FILHOS APRENDO ALGO SEMPRE ,ADORO O JEITINHO QUE VOCÊS PASSAM O RECADO...
SEMPRE ESTOU ME POLICIANDO DE COMO EDUCAR DA MELHOR FORMA.PROCURANDO FAZER DE CADA UM DELES UMA PESSOA DO BEM.BEIJOCAS MEUMUNDO+TRÊS

Amanda Luna disse...

oii, tem selinho para você lá no meu blog!! passa lá pra me fazer uma visitinha e pegar seu selinho tá!!
beijão
sermulhereomaximo.blogspot.com

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Tem mais disso

Related Posts with Thumbnails