Páginas

março 01, 2011

Separação...


Não. As Recomadres não se separaram e também não se separaram de seus maridos, pelo menos ainda não. Mesmo assim, parece que ninguém gosta muito de tocar nesse assunto.
As pessoas vivem se separando, de coisas de que gostam, lugares, amigos, familiares e no casamento. A separação é sempre um processo doloroso e varia de pessoa pra pessoa e daquilo que estamos nos separando. No caso “casamento com filhos” a separação tem um peso e uma preocupação maior, os filhos. Estes, sem dúvidas, sofrem muito, mas sobrevivem sempre. Sim, os filhos podem e devem ser felizes mesmo depois da separação, tudo depende de como a gente os prepara e principalmente, como aborda o assunto. Para saber como seu filho vai lidar com o fato e se adaptar à nova vida, você precisa entender exatamente em qual fase de desenvolvimento a criança está, cada fase requer explicações e necessidades diferentes, assim como, “colinhos” diferentes. Eu, particularmente, acho hiper, mega, super, plus necessário a ajuda de psicólogos e muita, muita informação, sempre.

Tenho vários amigos que se separaram e outros que estão se separando, alguns com mais traumas, outros com menos e muito poucos sem nenhum por pura falta de informação.
Ainda na minha, modesta, opinião se levarmos em conta coisinhas básicas, tudo pode ser mais fácil...
1º - Não se separar por causa dos filhos, não acho que é a melhor solução. Eles querem e precisam nos ver felizes e realizados. Casamentos capengas, relações deterioradas prejudicam a formação de qualquer pessoa.
2º - Perceber que os pais se respeitam, que ainda sentem algum carinho um pelo outro, que continuam partilhando as mesmas idéias quanto a criação de seus pequenos e principalmente, que continuam amando e participando da vida do filho pra sempre ajuda os pequenos a entenderem melhor a situação.
3º - Não destruir a imagem de melhor pai, ou de melhor mãe do mundo só porque deixaram de ser o melhor cônjuge. Desde que nascemos nossos pais são nossos exemplos.
4º - Deixar nossas dores e decepções de lado, também ajuda. Detonar a nova mulher do papai ou o novo namorado da mamãe só contribui para o sofrimento de todos, pode ter certeza. É difícil, eu sei, mas nada foi fácil até aqui, porque agora seria diferente?? Os pequenos não vão deixar de gostar menos de nós por isso, pelo contrário. Não force situações, deixe as coisas aconteceram de forma natural.
5º - Lembrar-se sempre: Meu filho não é o único filho de pais separados. Isso não tem que ser um problema, apenas uma situação real. E pode apostar, existem muitos pais separados
6º - Pais separados não têm que ser, necessariamente, inimigos, afinal há um bem maior que não poderá ser dividido jamais, nossos filhos.
E o mais importante de tudo, pais podem se separar um do outro, mas dos filhos, não deveriam, nunca.
Resumidamente é isso o que essa observadora da vida pensa sobre esse assunto, espero que tenha ajudado alguém embora minha experiência seja apenas de expectadora. Se bem que é sempre muito mais fácil analisar as coisas de fora, sempre.


Lembrem-se que se informar e pedir ajuda de profissionais, como educadores ou psicólogos, pode ser fundamental e um caminho muito mais fácil a seguir. Todo “fardo” fica muito mais leve quando temos alguém pra nos ajudar a carregá-lo.


P.S.: Esse post não é uma apologia ao divórcio, mas se ele for inevitável, que aconteça da melhor maneira possível, para todos.

Beijos,
Cris João.

5 comentários:

Mi Satake disse...

Super legal o assunto Cris!

Eu tenho uma amiga q diz q filho sofre pacas com separação,mas tem casos q ela [e necessária msm.

E as dicas q deu sao muito legais,muito importantes.

Ah,to meio sumida por problemas coma net ta?

Mas to morta de saudades de blogare visitar vcs!

Bjáo
Mi

Roberta M. disse...

Cris, que pena nao ter tomado nosso café juntinhas né?? Mas sei que esse momento uma hora chega, ah se chega!! Quanto a separaçao, bem, sei que é dura, que é dificil, mas se for inevitável, melhor que seja feita com dignidade, sem brigas, que seja uma coisa o menos doída pra ambas partes, pois todos sao coadjuvantes nessa história!! Beijocas com saudades

Ivani disse...

sou de uma geração que só se separava quando o motivo era mesmo insustentável. As mulheres eram por demais dependentes do marido (financeiramente) o que piorava tudo.
Não generalizando eu sou a favor da separação quando começa a criar traumas nas crianças, sofrimento enorme para o casal, vida infernal, sem motivação nem alegria.
Antes só do que mau acompanhado já dizia o velho ditado.
Dignidade sempre, principalmente para a vida das crianças que não têm culpa das imaturidades dos adultos.
Beijos

Mãe Mochileira,filho malinha.. disse...

Oi queridas..que saudade desse cantinho!OLHA,ESSE post me tocou( p variar..) n falo de separaçao de casais,mas de separações em geral! estou mt pensativa nesse assunto..uns amigos meus estao de mudança daqui da cidade essa semana..triste.. ;-(
mas é p o melhor deles, então!! é a vida.. ;-)
beijos,otima semana e saudades !!!
;-)

Chris Ferreira disse...

Oi Cris,
concordo que quando a separação é inevitável, fazê-la da melhor maneira vai trazer mil benefícios e reduzir sofrimentos.

Sou filha de pais separados, que se dão super bem, mas confesso que sonho de filho é ter pais juntos e felizes.

Se não é possível ser feliz junto, que sejam felizes separados.

beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Tem mais disso

Related Posts with Thumbnails